15 de jan de 2010

Como um assobio de um pássaro.

A bailarina e o Astronauta                                                        
Composição: Tiê

Eu sou uma bailarina e cheguei aqui sozinha.
Não pergunte como eu vim,
Porque já não sei de mim.
Do meu circo eu fui embora,
Sei que minha família chora.
Não podia desistir,
se um dia, como um sonho ele apareceu pra mim.
Tão brilhante como um lindo avião.
Chamuscando fogo e cinzas pelo chão.

De repente como um susto,
num arbusto logo em frente,
aconteceu uma explosão,
afastando a minha gente.

Mas eu não quis ir embora, não podia ir embora.
Como se nascesse ali um amor absoluto pelo homem que eu vi.
Poderia lhe entregar meu coração.
Alma, vida e até minha atenção.

Mas vieram as sirenes e homens falando estranho.
Carregaram meu presente como se ele fosse um santo.
Dirigiam um carro branco e num segundo foram embora.
Desse dia até agora, não sei como, não pergunte, procuro por todo canto.
Astronauta, diz pra mim cade você
Bailarina não consegue mais viver.


Está é a letra da canção 'A Bailarina e o Astronauta', da cantora paulistana Tiê. Ela tem uma belíssima voz e compõe letras lindíssimas, mostrando todo o seu talento como letrista. São músicas doces e que trazem uma paz, um aconchego para a alma.



Desde que venceu o tradicional Prêmio Fico do Colégio Objetivo, a cantora paulistana se tornou figura frequente nos palcos da noite paulistana. Primeiro como intérprete, depois experimentando composições próprias.


A certeza de seu caminho musical fez com que Tiê investisse em seu talento. Estudou canto em Nova Iorque, onde continuou sua carreira. O talento chamou a atenção de Toquinho, que a convidou para ingressar em sua banda. Tiê rodou o Brasil e o mundo com o músico e acumulou experiência.

Em busca da carreira autoral criou ao lado do amigo e parceiro Dudu Tsuda, o celebrado projeto Cabaret, que se notabilizou em dois dos melhores clubes de Sao Paulo: Vegas e Studio SP.

O período rendeu um EP à cantora, e uma excelente visibilidade na mídia: Tiê foi colocada em todas as listas de novas cantoras promissoras e destacada pela peculiaridade de seu som - bastante auto-biográfico.

Em 2008 Tiê preparou seu primeiro CD. Em nova parceria - agora com o produtor carioca Plinio Profeta - foram gravadas dez faixas de autoria própria, ao vivo, bem ao estilo low-fi –antiga tendência resgatada por novos cantores/compositores folk do mundo todo. O trabalho foi batizado de Sweet Jardim.

As quatro primeiras faixas (Assinado eu, Dois, Quinto Andar e Passarinho) são baseadas na voz e no violão tocado por Tiê e trazem arranjos incidentais e minimalistas que valorizam o lado musicista e romântico da cantora.

O tom sobe na quinta e oitava músicas (Aula de Francês e Stranger But Mine), que ainda trazem Tiê ao violão, mas com arranjos mais rápidos e próximos ao folk e letras que mesclam o francês e português (Aula de Francês) e o inglês (Stranger But Mine). Chá Verde (sexta faixa) introduz Tiê ao piano, e é a mais autobiográfica canção do disco. O piano com acompanhamentos incidentais se repete na nona faixa (A Bailarina e o Astronauta). As duas músicas explicitam a elogiada capacidade de letrista da cantora.

Por fim, a música titulo, Sweet Jardim, surge como uma celebração do trabalho, embalada pelos violões ciganos do mestre Toquinho, que faz participação mais do que especial no disco.
O trabalho, ainda conta com a concepção estética da estilista Rita Wainer, que também assina a capa.

{Retirado do myspace oficial de Tiê - www.myspace.com/tiemusica}

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu digo o que condiz, eu gosto é do estrago.