17 de fev de 2010

Minha síndrome musical.

Na minha costumeira busca por bandas (antigas ou novas, época realmente não me interessa) descobri uma que me empolguei muito, a Munchausen By Proxy (curiosamente é o nome de uma síndrome em que os afetados fingem doença ou trauma psicológico para chamar atenção ou simpatia a eles.) É um electropop gostoso, daqueles bons de dançar. É uma banda com letras irreverentes e muito high techs, digamos assim.  A defino como 'vinda do futuro'. Na verdade eu descobri assistindo ao filme 'Sim Senhor', com Jim Carrey (um dos melhores atores de comédia, na minha opinião). Essa banda foi criada especialmente para o filme (uma lástima). A banda é formada só por mulheres e uma das vocalistas é a Zooey Deschanel (atriz protagonista do filme), que se juntou com a banda Von Iva (que ao contrário de tudo lido até agra, existe de fato e toca um electro soul-punk). Assim que ouvi alguns trechos das músicas durante o filme eu fiquei encantada e louca para baixar as músicas. São somente quatro, para a minha eterna tristeza. Mas digo, são quatro músicas incríveis. Tenho uma predileção toda especial por 'Yes Man' (faixa-título do filme, na versão original). É uma canção dançante que fala de aproveitar a vida, dizer sim aos momentos a nós oferecidos. Resume bem o que o filme quer transmitir, por isso é a música tema da película. 'Uh-Huh' é igualmente dançante e na sua letra cita redes sociais como o facebook e o myspace, deixando evidente todo o seu lado 'cibernético' e seu ar psicodélico.
Ah, por que bandas boas assim não existem de fato? Por que são criadas para filmes e não continuam depois? Poxa, isso me deixa puta da vida. Só não fico tanto porque no momento ouço uma das músicas da Munchausen By Proxy (já ouvi tanto que já sei detalhes dos detalhes da canção). É, acho que não será a última banda de filme que descobrirei na vida. Sempre que assisto a um, a primeira coisa que chama minha atenção é a trilha sonora, vasculho com os meus ouvidos à procura de um som desconhecido para mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu digo o que condiz, eu gosto é do estrago.